Parábolas

mell6

Quarenta dias no deserto
e ei-lo desperto,
mas ainda ao chão.

Levanta-te e anda! –
ordena o poeta ao poema…
E a palavra se cumpre.

Infinitos poemas
em um só.

Num mesmo poema,
o poema do poeta
e o poema
que o leitor interpreta.

Num mesmo poema
universos estranhos
ao seu autor…
e tão íntimos
do mais íntimo
de cada leitor…

O autor lambe
e libera a cria
e o leitor a recria –
somando poesia
a poesia.

Um poema
é pão e é vinho, –
é milagre da multiplicação,
o milagre dos milagres.

O autor de um poema
é papel em seu papel.
Ferramenta que desperta
inconscientes poetas
sob um conhecimento
formal ou mutilado,
ou, na falta deles, na agonia
do parco entendimento…
na simplicidade de um saber
que é pura emoção.

Ao escrever um poema
o poeta comete o pecado
da sedução, –
conduzir o leitor
para dentro de si mesmo
a desvendar,
revelar
sua própria e latente poesia.

Poemas não têm asas,
poemas são asas…
De grande envergadura.
Revestidas das penas da liberdade…
de interpretação, –
vôos
acima, abaixo, ou ao nível
da intenção do autor
de um poema.

Um poema é sol
a lançar sua luz
em maior ou menor intensidade.
É possível sabê-lo
sem sequer olhar para ele.
É possível tê-lo diante dos olhos
e não vê-lo.

Poemas não são bons filhos, –
à casa jamais tornarão.
Não como dela saíram…

Já não sabe o poeta
por onde anda o poema…
aquele poema…
o seu poema…
o poema que escreveu.

Atingido
por uma, dez, mil…
experiências diferentes –
desavisadamente poéticas -,
perdeu-se
onde devem perder-se
todos os poemas
do mundo…

Levanta-te
e anda!

ju rigoni (1992)      

Foto Mell

Visite também Fundo de Mim II,  Dormentes e Navegando…

Anúncios
  1. 14/11/2008 às 15:32

    Ju, bom dia!

    Em seu belo poema você diz…

    “O autor lambe
    e libera a cria
    e o leitor a recria –
    somando poesia
    a poesia.”

    Sempre pensei isso. Pra mim, metade do poema é o que está escrito e a outra metade é a interpretação do leitor. E o leitor acrescenta, redimensiona o poema, conforme sua carga cultural e emotiva. Tem leitor que descobre facetas numa poesia, que nem o autor sabia que havia. Isso é maravilhoso.

    E você, como sempre, surpreendendo e encantando.

    Grande abraço, Poetisa!

  2. 15/11/2008 às 0:31

    Ju, é tarefa por demais ardua não desejar sentir seus poemas, comê-los.
    Caramba, esse então!!!

    Talvez o que mais me identifiquei, até agora… coisa de descompasso de coração.

    Que o poeta supremo possa, no renovar das misericórdias, te encobrir de versos, versos e mais versos.

    bjsssssss

  3. 15/11/2008 às 1:12

    Realmente fico encantada com sua poesia, sua maneira clara de dizer em versos sentimentos tão diversos. Não me cansarei de repetir isso.
    Levantou-se e andou, e vai comigo numa pedaço dessa estrada.
    ABÇão.
    Margareth Duval

  4. Samantha
    15/11/2008 às 2:39

    Nossa Ju…
    sem fôlego eu estou diante de suas palavras… sábias palavras.. DOM DE DEUS.
    Um poema é tudo mesmo, é pão, é vinho, é luz, é sol, é filho… enfim…
    Qdo eu crescer e for gente grande, quero escrever que nem vc amiga hehehehe
    beijão

    PS.: tenho acompanhado o Metáforas, mas não consigo postar meu comentário lá 😦

  5. 16/11/2008 às 7:44

    É verdade, Ju. Por onde andam os poemas perdidos? Criaram asas para nos encontrar e nos encantar. Adorei o poema! Beijos pra ti.

  6. 16/11/2008 às 7:45

    Ah, esqueci de dizer: linda a fotografia da Mell!

  7. 18/11/2008 às 15:17

    Talvez eu esteja sensivel hj, ou talvez esse seja uns dos poemas mais lindos que já li! A obra do poeta, o maior de todos os poetas, o criador de todos os poetas…. linda homenagem! Parabéns! Bjus

  8. 19/11/2008 às 3:12

    Querida Ju, cheguei aqui para agradecer tua visita e tuas palavras, e encontro “Parábolas”, essa beleza de poema, no qual nem sei bem se me encontrei ou se me perdi… Dizer o quê?! Já disseste tudo que poderia ser dito… Parabéns, minha amiga, aplaudo de pé!
    Grande abraço.
    Bjs.

  9. Samantha
    26/11/2008 às 22:37

    Oiê…
    dei uma sumidinha, mais to de volta
    Passa lá no blog amiga… tem MEME pra ocê de novo tá rsrsrs
    beijão

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: