A Ressaca

Nestor acordou com aquele bafo de botar gambá a correr. Uma puta dor de cabeça! Foi para o banheiro, livrou-se da roupa de ontem, abriu o chuveiro e enfiou-se debaixo dele como quem busca a salvação da própria alma. Ficou lá, a água escorrendo pelo corpo ,  tentando lembrar-se de como viera parar em casa… E nada… Absolutamente nada! “Espero não ter inserido mais um belo episódio à minha coleção de vexames…”, preocupava-se.

Nem bem engolira o antiácido e o som da campainha do telefone tirou-o dos pensamentos.

– Alô?…
– E aí, cara?  Tá melhor?…
– Fora o gosto de cabo de guarda-chuva na boca, a azia, aquela dorzinho na altura do fígado, tá tudo muito bem!
– Rapá, ontem você deu trabalho, viu?
– Tá legal! Conta. Mas conta sem sacanagem, hein…
– Nem é preciso, que ontem você abusou da inconveniência…
– E…
– Sabe a mulher do prefeito?…
– Aquela morena gostosa?
– A própria! Você passou a mão na bunda dela e só não tomou uma bifa porque o homem em pessoa dispensou o segurança, alegando que era só a inconsequência de um ébrio.
– Haja savoir-faire… Esse cara é um gentleman!!!
– E aquele buffet de tirar o fôlego…
– Um espetáculo! Só de olhar a comida me senti alimentado…
– Bem, espero que todo mundo tenha se sentido assim, porque você subiu na mesa e chutou tudo que havia em cima…
– O que você está me dizendo?…
– É rapá… Ontem você estava O bicho!…
– E por que vocês não me tiraram logo de lá, porra?
– Era exatamente o que pretendíamos fazer mas, de repente, você sumiu!… Nós achamos até que em meio a bebedeira você tivesse se jogado lá do terraço…
– Cualé, meu amigo. Fico bêbado; não doido!
– A linha é bem tênue, Nestor…
– …
– A turma já estava desesperada, – e o dono da festa não sabia mais o que fazer e onde procurar você. Viramos a cobertura e as dependências comuns do prédio pelo avesso. E cadê você?
– Puta que me pariu, cadê eu?…
– No armário. Dentro do armário da filha do dono da festa. Dormindo em cima do próprio vômito.
Aaaargh! Será que era meu mesmo?…
– Desta vez você se superou!
– Ah, nem tanto! Já fiz muito pior…
– Agora me conta? E a velha?
– Velha? Que velha?…
– A sogra do André. Aquela velha metida a mocinha com quem você saiu da festa? E aí?… É mesmo verdade aquela história que conta que “panela velha é que faz comida boa”? Ela ainda está aí?…
– ?… Ô cara!… Brincadeira tem hora!!!
– Iiiih! Já vi que…

Nestor largou o fone no chão,  e começou a andar pela casa… Procurou, procurou e… procurou. Não encontrou ninguém.

– Alô, você ainda está aí?…
– Mas é claro! Não quero perder nem um capítulo deste novo episódio…
– Nada! Aliás nem há vestígios de que tenha havido alguém além de mim por aqui.
– Menos mal, mas… você saiu da festa no carro da coroa. Todos vimos! Onde será que você largou a dita?…
– Sabe deus!… Qual é a boa de hoje?
– Ainda não sei… A gente se encontra lá no Amarelinho no final da tarde.
– Combinado!

Nestor desligou o telefone e colocou a cafeteira para funcionar. Era preciso rearranjar os “bits” antes de ir para o escritório. “Nossa! Eu estou ficando incontrolável. Preciso dar um jeito nesta minha vida… Há momentos em que acho que essa minha fissura pelo alcóol é mesmo uma doença…”

Quando saiu do elevador percebeu que havia um certo tumulto na portaria. O porteiro acenou para ele.

– O que houve, Zé?
– Como, sêo Nestô? O sinhô num ôviu a confusão, – a gritaria aqui em baixo? A puliça inda num bateu na sua casa, não?… Os ôme tão ino de apartamento em apartamento…
– O que você está me dizendo, Zé?… Me explica essa história direito.
– Ué! Tem um presunto lá no vão das área de sirviço. Ninguém sabe quem é… Se escarrapachô na madrugada. Caiu… ô foi jogado dos último andá, porque o estrago…

Apesar da náusea que a ressaca providenciava, Nestor foi até lá. Iam ensacar o corpo no exato momento em que aproximou-se para olhar.

“Santo Deus!…” – o pensamento era um mar revolto.

E o pavor deve ter tomado forma em seu rosto pois imediatamente o policial que estava demarcando o lugar indagou:

– O senhor a conhecia?…
– Preciso de um gole! – Foi tudo que conseguiu dizer…

ju rigoni (sem registro de data)

Imagem obtida aqui.

Visite também

Fundo de Mim (II), Dormentes, Navegando…, Medo de Avião.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: